Por: Marília Bittencourt – Enfermeira Obstétrica.

Cortar para não rasgar. Faz sentido pra você?

Ao corte realizado na região perineal durante o expulsivo se dá o nome de episiotomia. Muitas vezes, a justificativa utilizada para realização deste corte é que ele atuaria como uma prevenção às lacerações na região do períneo, ou seja, quando o tecido rompe sozinho.

Mas vamos pensar juntas…Se eu não quero que algo se rompa ou rasgue, eu não corto, certo?
As lacerações da região do períneo, durante um parto normal, podem ter diferentes graus:

  • Grau I, quando atinge só a mucosa;
  • Grau II, quando atinge mucosa e músculo;
  • Grau III, quando ela avança para o esfíncter anal.

Dentro desta classificação a episiotomia seria considerada, pelo menos, grau II.

Leia também:
Como saber o quão dilatada eu estou?
Formas de nascer: você conhece todas as vias de nascimento para um bebê?
Coisas que toda mãe de primeira viagem precisa saber sobre o parto

Mas, sempre lacera?

Não, e é aí que mora o “segredo”. Nem sempre as lacerações irão ocorrer, ou nem sempre as de maior grau irão ocorrer, e elas podem ser evitadas ou amenizadas se a mulher tiver liberdade para escolher a posição que quer parir, se não houver puxos dirigidos (quando ficam mandando fazer força) e quando há o mínimo de manipulação da área perineal possível.

Não há nenhuma evidência científica sobre benefícios da episiotomia, aliás nunca houve um estudo para ela começar a ser praticada, porém as sociedades de ginecologia deixam muito em aberto sobre a real necessidade da intervenção, ficando sempre a cargo do médico decidir se irá fazer, mas há um consenso que ela NUNCA deve ser realizada como um procedimento de ROTINA.

E ela é uma violência obstétrica se é feita sem o consentimento da mulher. Lembrando ainda que consentimento não é só somente sobre avisar que o procedimento será realizado! É sobre a mulher entender o que será feito e concordar com isso!

Para ver mais conteúdos como este, cadastre-se na nossa news e receba atualizações mensais da Confra das Maternas.