Entrevista com a Rosane Baldissera, Coordenadora do IBLCE no Brasil

Confira abaixo um bate-papo com a Nutricionista Rosane Baldissera, Coordenadora do IBLCE no Brasil, Consultora Internacional em Amamentação certificada pelo IBLCE (Internacional Board Lactation Consultant Examiners), Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente pela UFRGS, Membro da ILCA (International Lactation Consultant Association – 155900), e entenda melhor como funciona o IBLCE em nosso país (aproveite e acesse o site com o conteúdo em Português).

 

unimaterna – Como é a atuação do IBLCE no Brasil?

Rosane – O IBLCE é um órgão internacional com atuação, além do Brasil, em mais 105 países e já certificou mais de 28 mil profissionais no mundo todo. É um órgão independente e certificador, fornecendo a certificação de consultor internacional em amamentação para os profissionais que cumprirem todos os seus pré-requisitos. Os profissionais que possuem esta certificação são super qualificados no auxílio a famílias com aleitamento materno, nós costumamos dizer que é como se o IBLCE concedesse um selo de qualidade, digamos assim, para os profissionais que atuam com amamentação.

 

unimaterna – Quais dificuldades você considera que o IBLCE tem em nosso país?

Rosane – Na minha opinião, as pessoas no Brasil tem um certo “preconceito” devido ao IBLCE ser um órgão internacional e de sua certificação não ser nacional, apesar do IBLCE ser o único órgão que certifica consultores em amamentação. Outra barreira é a questão do idioma, pois o site e a maioria dos documentos ainda estão em Inglês – embora já estejamos trabalhando na tradução de vários materiais. Outros fatores dificultantes são a falta de divulgação e marketing, pois muitas pessoas ainda não conhecem o IBLCE – assim como a sociedade ainda não reconhece o valor de um profissional IBLCE; e, por fim, o valor da inscrição. Entendemos que 400 dólares é inacessível para grande parte das pessoas, até porque nossa moeda está, atualmente, muito desvalorizada. Nós também já estamos estudando uma forma de reduzir este custo para tonar mais acessível a inscrição para a certificação.

 

unimaterna – Como você começou sua carreira em amamentação?

Rosane – Eu sou nutricionista e já no início da minha graduação eu comecei a fazer estágio no banco de leite humano do hospital público de Porto Alegre. Nisso eu ajudei muitas mães, aprendi todos os processos de ordenha, conservação do leite humano e todos os outros e adquiri muita experiência clínica e prática em aleitamento materno. Lá eu fiquei por bons anos e depois disso, eu continuei trabalhando em hospitais e maternidades de Porto Alegre, ajudando mães e bebês. Desde 2009 eu atuo exclusivamente na prática clínica privada com amamentação. Foi então que, tendo conhecimento prático e teórico eu busquei minha certificação no IBLCE em 2013. Este foi meu início em aleitamento materno. Além de nutricionista, eu sou Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente pela UFRGS e desenvolvi minha pesquisa sobre aleitamento materno. Atualmente, eu também coordeno o IBLCE aqui no Brasil.

 

unimaterna – Sabemos que a certificação traz reconhecimento e valorização pessoal à profissional. Você poderia citar alguns diferenciais dos profissionais certificadas pelo IBLCE?

Rosane – Sim, a garantia do conhecimento prático e teórico do profissional, e a tranquilidade de contratar um profissional super qualificado e habilitado. Como no Brasil não existe a regulamentação da profissão, aqui no Brasil qualquer pessoa pode dizer ser consultor em aleitamento materno, mesmo que não esteja preparado para a atuação. O profissional certificado tem vários diferenciais em relação ao não certificado porque o IBLCE exige prática clínica, conhecimento teórico e aprovação em uma prova teórica complexa que aborda as várias faces do aleitamento materno, com isso, este profissional certamente estará bem qualificado.

 

unimaterna – Como fazer para obter a certificação no IBLCE?

Rosane – O IBLCE tem três pré-requisitos para o profissional se inscrever para conseguir a certificação: 1) ter formação na área da saúde 2) mil horas de prática clínica comprovadas no auxílio a mãe-bebê com amamentação 3) 90 horas de cursos de educação em aleitamento materno. Tendo estes 3 pré-requisitos preenchidos, o profissional deve fazer sua inscrição online no site, enviar a documentação comprobatória. Após esta validação, o profissional irá fazer a prova teórica no Brasil, que ocorre duas vezes ao ano (Abril e Outubro). Somente os aprovados obtém a certificação IBCLC – Consultor em Amamentação com Certificação Internacional. A certificação necessita de renovação a cada 5 anos com comprovação de educação continuada em aleitamento materno (75 horas) e prova teórica, de forma intercalada. Esta atualização constante é importante para sua atuação e também assegura a qualidade deste profissional.

 

Rosane atua desde 2009 com Consultoria em Amamentação na prática clínica privada, escreve matérias sobre amamentação para vários blogs de gestação e maternidade, revistas e jornais de Porto Alegre e você pode conhecê-la melhor acessando seu site, Facebook e Instagram.