Saiba como oferecer laserterapia em seus atendimentos

 

Você já deve ter percebido que a laserterapia é um ótimo recurso que as profissionais da área materno-infantil podem usar para atender as puérperas que enfrentam dificuldades para amamentar. Leia nosso artigo sobre a Laserterapia e a amamentação. A laserterapia de baixa potência estimula as células e tem benefícios para o corpo humano como um todo por causa da modulação celular, em todas as respostas que nós temos do organismo a laserterapia melhora o resultado celular. Principalmente o reparo tecidual, tanto dos tecidos profundos quanto dos superficiais. Basicamente, o laser irá agir no processo inflamatório e analgesia também, diminuindo o que é ruim e estimulando o que é bom no nosso organismo.

 
Quais são as indicações de laser de baixa intensidade?

A indicação do tratamento de laser baseia-se nessa reparação celular, nos benefícios dela, então tudo que tenha dor, ou lesão celular, o que nós queremos estimular, desde a parte sistêmica como local. Podendo ser na área odontológica, na área osteomuscular, como ATM, neuralgia do trigêmeo, também lesões de úlcera por pressão. No nosso caso na área materno-infantil vai ser principalmente para complicações mamárias, na cicatrização de traumas mamilares, controle do ingurgitamento, que é a mama empedrada, tratamento de candidíase mamária, que dá uma dor bastante significativa, e outras reparações celulares, como laceração de períneo pós parto-vaginal, a episiotomia, ou até mesmo a cesária, pra diminuir o processo inflamatório, acelerar a cicatrização, e ajudar também na dor.

Em relação ao tratamento, a laserterapia apresenta resultados rapidamente, é indolor e não tem efeitos colaterais (leia abaixo). Por isso, para a consultora materno-infantil preparada para oferecer este serviço pode se destacar no mercado.

 
Os efeitos colaterais da laserterapia

O laser de baixa intensidade basicamente não tem efeito colateral, porque ele faz apenas a estimulação no local em que é direcionado. Deve-se ter cuidado com a região dos olhos, para o raio de luz não atingir a retina – e é por isso que é usado o óculos de proteção individual. Ultrapassar a dose de aplicação adequada pode inibir, ou seja, o oposto do objetivo que é estimular as células. Outros cuidados: não aplicar em região tumoral, para não estimular a região e não aplicar em pacientes com glaucoma e também gestante, pois não se tem estudos que garantem a segurança nesse grupo em relação ao feto.

 
A capacitação em laserterapia

Conheça o conteúdo programático do curso de Laserterapia
Turmas abertas em todo o Brasil!