O desmame precoce é muito comum e um dos maiores desafios para quem trabalha com Aleitamento Materno.

Os motivos mais referidos para o desmame precoce são a dor, a preocupação com a baixa produção de leite, falta de suporte, cansaço, o retorno ao trabalho ou estudos, dificuldades no aleitamento e a necessidade de utilizar medicações durante a amamentação. Não há idade certa para o desmame, a organização Mundial de Saúde recomenda que os bebês sejam amamentados exclusivamente com leite materno até os 6 meses de idade e após a introdução de alimentos devem ser amamentados por 2 anos ou mais, porém apenas 38% dos bebês são alimentados exclusivamente com leite materno até os seis meses na região das Américas e só 32% continuam amamentando até os 24 meses (dados da OPAS – Organização Pan-americana de Saúde).

O motivo de evitar o desmame precoce é que o bebê e a mãe irão perder todas as vantagens que o Aleitamento Materno pode oferecer, com menor chance de alergias, problemas respiratórios, de imunidade e doenças crônicas como diabetes para o bebê, e menor chance de câncer de ovário e mamas para a mãe. Além de toda a praticidade e promoção de vínculo que o aleitamento materno pode oferecer.

Como prevenir o desmame precoce
A amamentação não apenas fornece uma variedade de benefícios à saúde e ao desenvolvimento do seu filho, mas quanto mais tempo a mãe amamentar, mais terá tempo para aproveitar estes benefícios que podem durar até a idade adulta. Aqui estão algumas das ações que podemos fazer para evitar o desmame precoce:

•     Fornecer apoio.
De todos os itens, este é o essencial. Se a mulher não recebe apoio fica muito mais fácil desistir. Procure grupos de apoio à amamentação para indicar, forneça leituras, e se puder SEJA o apoio que ela precisa.  

•     Manter a produção suficiente de leite materno.
A mãe deve amamentar o bebê com frequência, quanto mais amamenta, mais leite produz.  Evitar mamadeiras e chupetas ao máximo. Se a baixa oferta de leite for uma preocupação, existem maneiras de trabalhar para aumentá-la.

•     Se informar sobre os problemas comuns de amamentação.
Ao aprender sobre os problemas típicos enfrentados pelas mães que amamentam, você entenderá como tratá-las e evitá-las. Isso faz com que as mães aprendam a passar pelos problemas e amamentem depois de resolve-los, em vez de desistir.

•     Cuide da mãe que amamenta.
Ela deve descansar, beber bastante líquido e consumir calorias suficientes, isso pode fazer toda a diferença. E, quando ela estiver exausta e precisar de um descanso ou uma soneca, ofereça ajuda! Seja amigo da amamentação.

•     Aguarde para introduzir alimentos sólidos na dieta do bebê.
z2eIsso deve ser feito por volta dos seis meses (a não ser que seja estritamente recomendado que inicie antes) e que a introdução seja feita lentamente. Se o bebê inicia a introdução alimentar muito precocemente a chance de desmamar aumenta. Além disso, durante o primeiro ano, a alimentação é complementar ao leite materno e depois de um ano é que os alimentos adicionais se tornar uma parte mais substancial de sua dieta diária.
Quando o desmame acontece antes da hora
O desmame precoce também acontece geralmente sem planejar. Isso pode ser decepcionante e estressante. A mãe se sente culpada pela amamentação não ter dado certo e triste por não ter a experiência que ela gostaria. O desmame, em geral, pode levar a sentimentos de tristeza e depressão, ainda mais se você ela estiver pronta para parar. Se ela precisar de um tempo para lamentar a perda da experiência de amamentar, tudo bem.Por mais difícil que seja, incentive que ela se concentre no momento especial que ela conseguiu passar amamentando e lembre-a de que qualquer quantidade de leite materno que seu filho recebeu é benéfica. A amamentação é apenas uma pequena parte da vida dos pais. Haverá muitas outras coisas maravilhosas que para eles experimentarem enquanto o bebê cresce!