Seja porque a mãe teve dificuldades em amamentar, seja porque ela escolheu não amamentar, há vários motivos para se introduzir a fórmula, como indicação médica por exemplo, porém em algumas situações a mãe pode acreditar que não produz leite suficiente e iniciar a introdução de fórmula por insegurança. A alimentação do bebê por fórmula pode gerar alguns problemas. Para que haja uma escolha informada e consciente pela forma como o bebê será alimentado precisamos saber mais sobre estes problemas.

Quando falamos de fórmulas estamos falando de leite de vaca modificado (existem outros tipos de fórmulas derivadas da soja por exemplo). O leite de vaca é muito rico em proteínas principalmente a caseína e sódio. Já o leite humano é rico em gordura e carboidratos. A presença maior de proteína e de sódio acaba sobrecarregando os rins do bebê. As fórmulas são modificadas para diminuir este risco, mas não possuem anticorpos e outros elementos importantes para a saúde do bebê como o leite materno.

O primeiro problema que podemos encontrar é:

1 – O bebê não recebe os benefícios do aleitamento materno.

O leite humano é o melhor alimento para, bem… humanos. Isso é indiscutível! Não há fórmula produzida no mundo que se compare à composição e aos benefícios a curto e longo prazo que o aleitamento materno pode propiciar. E mesmo com tantos benefícios a prevalência do aleitamento materno no mundo é bem baixa, e isso impacta na saúde de maneira global.

2 – O bebê pode ser alérgico à proteína do leite de vaca

A Alergia Proteína do Leite de Vaca provoca alguns sintomas como diarreia, vômito, cólicas, erupções cutâneas, sangue ou muco nas fezes. Muitas vezes a mãe está em aleitamento materno exclusivo e o bebê inicia com estes sintomas. Por falta de informação ela pode acreditar que o leite dela é que era o problema e iniciar a fórmula. Nesse caso o problema só se agrava. O melhor caminho é tentar a dieta restritiva de leite e derivados para a mãe, já que a maioria das fórmulas contém a proteína do leite de vaca.

3 – O bebê pode fazer confusão de fluxo/bicos

Se o bebê é alimentado no seio e recebe o complemento da fórmula dependendo da forma como esse complemento é ofertado ele pode desenvolver uma confusão de fluxo e ou de bico. Principalmente se o leite artificial é ofertado em mamadeira. O fluxo do leite, a forma de sugar, o formato do bico é totalmente diferente do peito e isso faz com que o bebê “prefira” a mamadeira ao peito.

Estes são basicamente os problemas mais comuns quando introduzimos a fórmula na alimentação do bebê. Obviamente que entendemos os motivos e a preocupação das mães que precisam complementar ou até mesmo alimentar seus filhos exclusivamente com leite artificial.

O nosso objetivo é trazer para a luz estes problemas para que antes de partir direto para a fórmula como primeira solução para os problemas com o aleitamento materno a mãe busque ajuda de uma consultora em aleitamento para verificar a real necessidade de complementação.