É uma das maiores dúvidas que as mulheres apresentam sobre o trabalho de parto! Como saber a hora que tenho que ir para o hospital?
Sabemos que a internação precoce aumenta a chance de acontecerem intervenções desnecessárias, mas como doulas e parceiros podem saber se a dilatação já está avançada sem fazer exame de toque? O corpo envia alguns sinais que avisam que o trabalho de parto está avançado. É importante para doulas, acompanhantes e principalmente para a mulher que está em trabalho de parto saber sobre estes sinais. Muitas vezes as mães até pedem para o médico ou enfermeira para que façam um exame de toque para que elas saibam “em que pé está”. Mas pode acontecer um sentimento de frustração logo em seguida (O que? Depois de toda essa dor só 4 cm!!! Não é possível!). A sensação é parecida com a de fracassar em um teste na frente de todo mundo. Esse sentimento pode trazer tensão para o parto e aí nós já sabemos: a tensão aumenta a dor.
A melhor coisa a se fazer é prestar atenção aos sinais, alguns mais sutis que outros, esquecer o relógio e conectar com o seu corpo, sua mente e seu coração. Ouça, abrace, espere e desfrute da maneira como ele responde. Seu corpo é capaz de coisas incríveis!!!
Aí vão eles:

1. Som. O jeito de falar muda de estágio para estágio no trabalho de parto. Nas primeiras contrações você ainda consegue falar ou responder alguma pergunta. Você começa a ter que respirar e se mexer para ignorar as pessoas, mas se você quiser pode levantar a cabeça e falar em um tom normal de voz. Quando a contração desaparece você pode bater papo e rir de alguma piada. No entanto, durante o trabalho de parto ativo, você quase não consegue falar durante uma contração. Você se sente meio fora do ambiente sem conseguir prestar atenção com o que as pessoas estão fazendo ao seu redor. Quando chega a fase da transição e nascimento, você parece ir para um outro nível de consciência – é quase como um refúgio espiritual. Você até pode compartilhar isso com alguém, olhando em seus olhos em cada onda, ou você fechar seus olhos e entrar em si mesma. É importante para a equipe e parceiros manter o silêncio e apoiar a santidade deste espaço: não há mais piadas, e a conversa fiada deve ser a menor possível. De repente, os sons começam a mudar involuntariamente: você pode começar a vocalizar (gemer, falar e expressar seu desconforto, cantar, etc) ou você pode ficar em um profundo silêncio. Ouça – há um som gutural profundo diferente de tudo o que você já ouviu antes. Você está prestes a começar a empurrar.

2. Cheiro. Há um cheiro de parto, que bate no final da dilatação, durante o trabalho ativo, pouco antes do nascimento. Algumas parteiras dizem que é uma mistura de feno e sêmen e terra molhada. É muito característico, você nunca vai sentir esse cheiro em outra ocasião que não seja em um parto.

3. Irracionalidade. Ah eu amo esse sinal – muitas vezes é um sinal de transição. É um sinal que sempre me deixa feliz, e eu sempre aviso as mulheres sobre isso para que, quando ela estiver me dando este sinal durante o trabalho de parto eu possa dizer que o que ela está falando não faz sentido e que eu avisei que isso ia acontecer, que eu disse a ela que a irracionalidade iria aparecer, e olha só ela aí! Relaxe, isso significa que o parto está chegando ao fim. Às vezes, uma mãe vai dizer que ela quer ir para casa, que chega agora, ela vai voltar e fazer isso mais tarde, que ela quer colocar sua roupa e ir embora. Uma mãe que está em um parto natural lidando de forma brilhante, de repente, dizer que ela era louca e precisa de analgesia agora, ou que ela não queria outro bebê, quem disse que queria um bebê? Algumas vão apenas enrolar e dizer que eles estão indo dormir. Se ela fizer isso, tudo bem. As contrações podem diminuir e ficar mais distantes, e talvez ela (e o bebê) terão alguns minutos de sono. Esta transição com desaceleração do trabalho de parto às vezes assusta a equipe hospitalar e geralmente é oferecida ocitocina sintética – para tentar ver se a mãe resolve o parto em meia hora… Mas se pudermos evitar isso e colocar essa mãe deitada e bem apoiada do seu lado esquerdo para que ela possa ter um cochilo antes dos puxos pode ser maravilhoso!

4. Sinta-se. Essa é uma das ferramentas mais divertidas e que você pode não ter ouvido falar antes! Pense sobre a forma do útero. Antes do parto a espessura do músculo do útero é uniforme por todos os lados, em cima, embaixo, atrás. Como o colo do útero que é a parte de baixo, começa a dilatar e afinar, o músculo tem que ir para algum lugar, não? – ele fica amontoado no topo do fundo do útero! A parte superior do útero engrossa significativamente enquanto o colo abre. Durante uma contração, no início do parto, verificar quantos dedos cabem entre o fundo do útero (onde acaba a barriga) e a linha de sutiã (que é onde fica o processo xifoide) – nesse início é comum caber 5 dedos. Como o fundo do útero fica mais espesso e sobe durante o parto, vão caber cada vez menos dedos. Quando couberem cerca de 3 dedos, as mães podem pensar em ir para o hospital a dilatação deve estar em cerca de 5 centímetros. E quando couber apenas 1 dedo terá dilatação total. Parece não fazer sentido porque o bebê desce durante o trabalho de parto, não era para caber cada vez mais dedos? Mas é questão de física, as fibras uterinas realmente se juntam e acabam fazendo um volume maior no fundo do útero.

5. Olhe. Existe algo chamado de “linha púrpura”, que é uma sombra avermelhada que se estende a partir do ânus para cima em direção às costas. Ele começa como um centímetro e chega a 10 centímetros acompanhando a dilatação do colo. É necessário que uma terceira pessoa observe esta linha. Não são todas as mulheres que apresentam, mas ainda assim vale tentar antes de sair correndo de casa para que alguém coloque os dedos dentro de você, não é mesmo? 😀

6. Membranas pegajosas. Também conhecida como show sangrento; o tampão mucoso que geralmente sai com cerca de 2-3 cm de dilatação, é o início do show sangrento. Ele pode aparecer no início do trabalho de parto ou com dias de antecedência. Às vezes é até difícil identificar se é ou não o tampão, uma vez que durante os dias antes do parto aumenta a quantidade de muco vaginal e isso pode ser confuso. O tampão geralmente vem na quantidade de mais ou menos umas 2 colheres de sopa, então até que é bastante! Ele pode ser transparente e gelatinoso, mas geralmente apresenta raias de sangue rosa ou até coágulos de sangue vermelho vivo ou marrom. Se houver mais do que umas duas colheres de sopa de sangue bem avermelhado, é melhor ir para o hospital para certificar que não há um descolamento de placenta, mas se sair só um pouco e depois parar, então é só o início do nosso show! Há a segunda apresentação do show sangrento com cerca de oito centímetros de dilatação! Esta segunda apresentação das “membranas pegajosas” significa que o nascimento está próximo.

7. Abertura nas costas. Este sinal é percebido geralmente quando o parceiro ou a doula está fazendo massagem nas costas da mãe, na área acima do cóccix. A cabeça do bebê é empurrada contra o osso sacro e ele fica bem abaulado. Os ossos pélvicos de uma mulher grávida são maleáveis e permitem a expansão. Se este sinal aparecer e você estiver em casa e não está planejando um parto domiciliar você já esperou muito tempo para ir para o hospital e talvez tenha que se preparar para um parto domiciliar não assistido!

8. Toque-se. Ok, mas tudo isso não era para evitar o toque??? Tecnicamente seria um toque, mas feito por você. Você não tem que falar o resultado ou anotar: não é um exame. Para mim é óbvio que, como dona do seu corpo, você tem mais que direito de se sentir confortável com isso e entender como ele funciona. Quando a mulher tem o hábito de se tocar isso ajuda a conhecer o seu próprio colo desde o início da gravidez, se não antes. Se você fizer isso em toda a gestação, você vai saber a diferença que ele apresenta no 9 º mês. Por exemplo, durante a gestação o colo ficou fechado, aí de repente ao se tocar você nota que consegue colocar a polpa de um dedo dentro do orifício. Ao final do trabalho de parto se você se tocar poderá sentir a cabeça do bebê. NOTA: Sempre, sempre, sempre lave bem as mãos antes, até os cotovelos, por 4 minutos, pelo menos. E não avalie a sua própria dilatação depois que a sua bolsa tiver rompido.

Até mais!!!

O melhor caminho para saber sobre a sua evolução do trabalho de parto é o autoconhecimento. Se você se interessa por esse mundo de assuntos sobre parto e maternidade, fique de olho no nosso blog! E se você quer estudar mais sobre esses e outros assuntos envolvendo maternidade: https://unimaterna.com.br/cursos/

Confira nosso Próximo Curso de Doulas em Londrina!
Nos dias 05 , 06 e 07 de Outubro